Moda e artesanato na escola Helen Keller de Ribeirão Preto-SP

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/25944630422020167

Palavras-chave:

moda , artesanato , fotografia , deficiencia visual , Escola Hellen Keller

Resumo

O projeto “História, Memória e Cegueira: contribuições da Escola para Cegos Helen Keller (1954-1990) de Ribeirão Preto à educação”, aprovado pela FAPESP nº 2017q23240-8, coordenado pela Profa. Dra. Daniela Leal e outros docentes do Centro Universitário Moura Lacerda, recebeu um grande acervo fotográfico, onde algumas imagens são de bazares realizados na década de 60, com produtos de moda e artesanato desenvolvidos pelos alunos da escola. O presente projeto de pesquisa exploratória descritiva e qualitativa, tem o objetivo de descrever os detalhes das fotos recebidas, relatando os trabalhos de moda e artesanato desenvolvidos, por meio de observação assistemática passiva, na intenção de trazer a luz essa parte da história de educação inclusiva de nossa cidade. Esse estudo trouxe a possibilidade de conhecer o universo do deficiente visual, em especial dos alunos da Escola Hellen Keller. Nas imagens foi possível observar vários produtos desenvolvidos e comercializados como; roupas (entre saias, blusa e vestidos), bolsas, panos de prato, aventais, peças em crochê e tricô, bonecos e árvore decorativa para o natal, entre outros. A escola motivava as capacidades manuais na intenção de criar oportunidades, tanto para a busca do mercado de trabalho, quanto para inclusão social, desde a década de 60. O levantamento bibliográfico e toda a pesquisa contribuíram para entender as pessoas com deficiência visual, sua forma de pensar, de agir e se desenvolver, e que o mesmo tem capacidade de aprender e se tornar independente, desde que lhe seja dado oportunidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vitoria Guessi da Silva, Centro Universitário Moura Lacerda

Graduanda em Moda no Centro Universitário Moura Lacerda, membro da equipe NIEPED.

Juliana Bononi, Centro Universitário Moura Lacerda

Mestre em Design de Produto. Docente de Modelagem e Tecnologia Têxtil nos cursos de Graduação em Moda no Centro Universitário Moura Lacerda e da Unifran. Membro da equipe NIEPED.

Referências

AMIRALIAN, Maria Lúcia T. M. Compreendendo o Cego: Uma visão psicanalítica da cegueira por meio de Desenho – Estórias. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1997.

BONONI, J. DOMICIANO, C.L.C. O uso do vestuário infantil como elemento de estímulo para o desenvolvimento tátil de crianças com deficiência visual: o papel dos pais e educadores. Revista ENSINARMODE, Florianópolis, Ano 1, N. 3, Junho-Setembro 2018, p. 153-169. DOI: http://dx.doi.org/10.5965/25944630312018151171 | ISSN 2594-4630

BRITO, Inayê Jorge Gomes de, et al. O Design de Moda como inclusão social de portadores de deficiência visual. Revista Eletrônica de Educação e Tecnologia do SENAI-SP. ISSN 1981-8270. v.4, n.9, out.2010. Disponível em: http://revistaeletronica.sp.senai.br/index.php/seer/article/viewFile/154/98 acessado em 10/11/2014.

CUNHA, Ana Cristina Barros da; ENUMO, Sônia Regina Fiorim; CANAL, Cláudia Patrocínio Pedroza. Avaliação cognitiva psicométrica e assistida de crianças com baixa visão moderada. Paidéia (Ribeirão Preto) Vol: 21 Edição: 48 Páginas: 29-39 Publicado: 2011-04 Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-863X2011000100005 acessado 11/11/14.

FERREIRA, Francirosy Campos Barbosa. MORELLATO, Alice. Ser, Sentir-se e viver com a cegueira e a estigmatizarão. Disponível em: file:///C:/Users/Julyka/Downloads/pontourbe-1092-11-ser-sentir-se-e-viver-com-a-cegueira-e-a-estigmatizacao.pdf Acessado em 28/12/2014

Estadão. Jornal do Estado de São Paulo online. Disponível em: http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,etiqueta-em-braile-deixa-moda-mais-acessivel-imp-,668553 Acessado em 04/01/2015.

FERRONI, Marília Costa Câmara; GASPARETTO, Maria Elisabete Rodrigues Freire. Escolares com baixa visão: percepção sobre as dificuldades visuais, opinião sobre as relações com comunidade escolar e o uso de recursos de tecnologia assistiva nas atividades cotidianas. Rev. bras. educ. espec., Marília, v.18, n. 2, jun. 2012. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382012000200009&lng=pt&nrm=iso Acesso em 14 dez.2014.

IBGE. Censo Demográfico 2010. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/94/cd 2010 religião deficiencia.pdf Acessado em: 20/12/2014.

International Standartization Organization. ISO 9241-11: Ergonomic requirements for office work with visual display terminals, Part 11: guidance on usability.1998.

LIMA, Ana C.E. FERREIRA, Jeniffer Cristiane. SILVA, Rômulo Gonçalves da. Deficiência Visual: vida independente e inclusão. Disponivel em: http://www.faeterj-caxias.net/revista/index.php/edutec/article/view/42 . Acessado 20/12/2014

LIMA JÚNIOR, Geraldo Coelho. Design de Moda e Percepção Tátil. Disponível em: http://www.coloquiomoda.com.br/anais/anais/2-Coloquio-de-Moda_2006/artigos/49.pdf Acessado em 28/12/2014

MAXIMILIANO, Cristiani. TOMASULO, Simone Batista. O ensino de moda e a inclusão de deficientes visuais. E-Tech: Tecnologias para Competitividade Industrial, Florianópolis, v. 7, n. 2, p.135-164, 2013.

MONTAGU, Asheley. Tocar – O significado humano da pele. São Paulo: Summus Editorial, 1986. Trad. Maria Silvia Mourão Netto.

MONTE ALEGRE, P. A. C. A cegueira e a visão do pensamento. Dissertação de mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

MUNARI, Bruno. Das coisas nascem coisas. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

NUNES, Sylvia da Silveira; LOMÔNACO, José Fernando Bitencourt. Desenvolvimento de conceitos em cegos congênitos: caminhos de aquisição do conhecimento Psicologia Escolar e Educacional, vol. 12, núm. 1, enero-junio, 2008, pp. 119-138 Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional Paraná, Brasil

NEVES, Manuela. BARRETO, Marise. NEVES, Jorge. Design de uma Etiqueta para pessoas com Deficiência Visual. VI CIPED,2011. Disponível em: https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/15745/1/Artigo%20Etiqueta.pdf acessado em 20/12/2014

OLIVEIRA, J. V. G. Arte e visualidade: A questão da cegueira. Revista Benjamin Constant,1998, 4(10), 7-10.

OLIVEIRA, M. B. & OLIVEIRA, M. K. (Orgs.). (1999). Investigações cognitivas: Conceitos, linguagem e cultura. Porto Alegre: Artmed.

OLIVEIRA, Fátima I.W.de. BIZ, Vanessa Aparecida. FREIRE, Maísa. Processo de inclusão de alunos deficientes visuais na rede regular de ensino: confecção e utilização de recursos didáticos adaptados. Disponível em: https://scholar.google.com.br/scholar?bav=on.2,or.r_cp.r_qf.&bvm=bv.82001339,d.eXY&biw=1366&bih=667&dpr=1&um=1&ie=UTF-8&lr&q=related:tAXhb5pGuMB27M:scholar.google.com/ acessado em 20/12/2014

ORMELEZI, E. M. Inclusão educacional e escolar da criança cega congênita com problemas na constituição subjetiva e no desenvolvimento global: uma leitura psicanalítica em estudo de caso. Tese de doutorado, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

RESENDE, Cláudia Arantes Pires Di Guimarães. MACHADO, Janine Brito. SOUTO, Keila Cristina Dias. VIEIRA, Sandra da Silva. MARTINS, Eliecília F. Estudo sobre as vestimentas para deficientes visuais. Disponível em; http://www.coloquiomoda.com.br/anais/anais/7-Coloquio-de Moda_2011/GT13/Poster/P_89620 A_relacao_do_Deficiente_Visual_com_as_vestimentas.pdf acessado em 20/12/2014

SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão/Construindo uma sociedade para todos. 2ª ed., Rio de Janeiro: WVA, 1997.

ULBRICHT, Vania Ribas. Et al. Os Deficientes visuais e a aprendizagem da representação espacial. Gráfica 2011.

Downloads

Publicado

2020-06-01

Como Citar

DA SILVA, V. G.; BONONI, J. Moda e artesanato na escola Helen Keller de Ribeirão Preto-SP. Revista de Ensino em Artes, Moda e Design, Florianópolis, v. 4, n. 2, p. 167 - 181, 2020. DOI: 10.5965/25944630422020167. Disponível em: https://www.periodicos.udesc.br/index.php/ensinarmode/article/view/17056. Acesso em: 5 jul. 2022.

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.