A escolinha de artes do recife como espaço inclusivo para pessoas com deficiência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/25944630422020210

Palavras-chave:

arte , educação , inclusão

Resumo

A Escolinha de Artes do Recife desde de sua origem, em 1953, vem desenvolvendo ações arte/educativas para todo tipo de público. Notada a relevância histórica e social da instituição foram investigados registros históricos, documentais da instituição, como também as práticas arte/educativas desenvolvidas nela, para, a partir da trajetória da EAR, apresentar a visão educativa da instituição e como ela contribuiu, e ainda contribui, para a construção de práticas arte/educativas na perspectiva inclusiva para pessoas com deficiência. Partindo de registros bibliográficos, de pesquisa documental, da realização e análise de uma atividade arte/educativa desenvolvida na atualidade, observou-se que a Escolinha foi e é um espaço onde experiências estéticas sensoriais são trabalhadas pelas vias da inclusão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ediel Barbalho de Andrade Moura, ESCOLINHA DE ARTE DO RECIFE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

Especialista em educação na perspectiva inclusiva. Graduado em Licenciatura em Artes Visuais. Atua como Arte Educador em ambientes não formais como: Galeria Corbiniano Lins (SESC), Instituto de Arte Contemporânea (UFPE) e na Escolinha de Arte do Recife (EAR).

Referências

AZEVEDO, F. A. G. de. Noemia Varela, um réquiem para (não) dizer (a)deus. Em: Mulheres não devem ficar em silêncio. Ana Mae Barbosa e Vitória Amaral (Orgs.). São Paulo: Editora Cortez. 2019. pág. 97.

BARBOSA, A. M. A imagem no ensino da Arte. São Paulo: Perspectiva. 2014.

_________, A. M. O ensino da arte no Brasil: aspectos históricos e metodológicos. Material didático da rede de ensino estadual de São Paulo. Módulo 1. Projeto de formação de professores da UNESP. 2011. Disponível em https://acervodigital.unesp.br/bitstream/123456789/40427/3/2ed_art_m1d2.pdf Acessado no dia 20 de julho de 2019, às 19horas.

DUARTE, J. BARROS, A. (Orgs.). Métodos e técnicas de pesquisa em Comunicação. São Paulo: Atlas. 2006.

GOHN, M. da G.. Educação não formal e o educador social. São Paulo: Cortez Editora. 2010

HERNANDES, F. Cultura visual, mudança educativa e projeto de trabalho. Porto Alegre: Editora Artmed. 2000.

MAZZOTTA, M. J. S. Educação especial no Brasil. História e politicas públicas.. São Paulo: Cortez Editora. 1996.

MURCIA, J. A. M. Aprendizagem através dos jogos. Porto Alegre: Artmed. 2005

SILVA, M. B. e. Memórias não são só memórias: a escolinha de arte do Recife (1953-2013). Recife: Editora Universitária da UFPE. 2013.

SCHAFER, R. M.. The soundscape - our sonic environmental and tuning of the world. 2.ed. Rochester: Destiny Books. Edição Kindle, EUA. 1994.

Downloads

Publicado

2020-06-01 — Atualizado em 2020-06-01

Versões

Como Citar

MOURA, E. B. de A. A escolinha de artes do recife como espaço inclusivo para pessoas com deficiência. Revista de Ensino em Artes, Moda e Design, Florianópolis, v. 4, n. 2, p. 210 - 225, 2020. DOI: 10.5965/25944630422020210. Disponível em: https://www.periodicos.udesc.br/index.php/ensinarmode/article/view/16895. Acesso em: 19 ago. 2022.