O novo e o velho na organização da mídia no território brasileiro: contribuições para a leitura da conjuntura atual a partir de Milton Santos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984724623512022238

Palavras-chave:

novo e velho, mídias sociais, psicosfera-tecnosfera, análise de conjuntura, território brasileiro, Milton Santos

Resumo

Este artigo busca, a partir de um diálogo com a obra legada por Milton Santos, trazer contribuições para a leitura da atual conjuntura brasileira, no contexto da chamada “onda conservadora” e da ascensão da extrema-direita. Pretende-se, assim, compreender o que o território usado nos revela para interpretarmos o papel da comunicação na conjuntura atual e investigar como a organização da comunicação no território condiciona as possibilidades de debater outros projetos de futuro para o território. Pretende-se dar subsídios para leituras da conjuntura que considere a tensão entre as inovações e o preexistente nos arranjos espaciais, mobilizando os conceitos de psicosfera-tecnosfera, eventos e formação socioespacial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Pasti, Universidade Federal do ABC - UFABC

Doutor em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo –USP. Professor da Universidade Federal do ABC - UFABC.

Referências

AGUIAR, Pedro. Agências de Notícias do Sul Global: jornalismo, Estado e circulação da informação nas periferias do sistema-mundo. 667 f. Tese (Doutorado em Comunicação) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

ALMEIDA, Ronaldo De. A onda quebrada - evangélicos e conservadorismo. Cadernos Pagu, Campinas, v. 2017, n. 50, p. 1-27, 26 jun. 2017.

ARROYO, Mónica. A América Latina numa encruzilhada: ocaso do projeto de integração? GeoTextos, Salvador, v. 13, n. 1, p. 13-28, 30 jul. 2017.

ARROYO, Mónica. Globalização e espaço geográfico. Experimental, São Paulo, n. 6, p. 15–31, 1999.

BANDEIRA, Olívia. Igrejas cristãs no topo da audiência. Le Monde Diplomatique Brasil, São Paulo, 2018a. Volume especial proprietários da mídia. Disponível em: https://diplomatique.org.br/midia-religiao-e-politica-igrejas-cristas-intensificam-presenca-na-esfera-publica/. Acesso em: 14 mar. 2019.

BANDEIRA, Olívia. Mídia, religião e política: igrejas intensificam presença na esfera pública. Le Monde Diplomatique Brasil, São Paulo, 2018b. Volume especial proprietários da mídia. Disponível em: https://diplomatique.org.br/midia-religiao-e-politica-igrejas-cristas-intensificam-presenca-na-esfera-publica. Acesso em: 14 mar. 2019.

BARBOSA, Bia; MARTINS, Helena. O papel da mídia nas manifestações do 13 de março. CartaCapital - Intervozes. [S.l: s.n.], 2016. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/blogs/intervozes/o-papel-da-midia-nas-manifestacoes-do-13-de-marco/. Acesso em: 14 mar. 2016

BASTOS DOS SANTOS, João Guilherme et al. WhatsApp, política mobile e desinformação: a hidra nas eleições presidenciais de 2018. Comunicação & Sociedade, São Bernardo do Campo, v. 41, n. 2, p. 307-334, 31 ago. 2019.

BECERRA, Martín; MASTRINI, Guillermo. Los dueños de la palavra: acceso, estructura y concentración de los medios en la América Latina del Siglo XXI. Buenos Aires: Prometeo Libros, 2009.

BRUNO, Fernanda Glória; BENTES, Anna Carolina Franco; FALTAY, Paulo. Economia psíquica dos algoritmos e laboratório de plataforma: mercado, ciência e modulação do comportamento. Revista FAMECOS, Porto Alegre, v. 26, n. 3, e33095–e33095, 27 dez. 2019.

CERVI, Emerson; WEBER, Maria Helena (org.). Impactos político-comunicacionais nas eleições brasileiras de 2018. Curitiba: CPOP, 2021.

CESAR, Camila Moreira; DOS SANTOS, Nina Fernandes. Campanhas políticas e WhatsApp: a porosidade entre as campanhas oficiais e os ativismos nas eleições de 2018. In: CERVI, Emerson; WEBER, Maria Helena (org.). Impactos político-comunicacionais nas eleições brasileiras de 2018. Curitiba: CPOP, 2021. p. 167-199.

CESARINO, Letícia. Como vencer uma eleição sem sair de casa: a ascensão do populismo digital no Brasil. Internet & Sociedade, São Paulo, v. 1, n. 1, 2020. Disponível em: https://revista.internetlab.org.br/wp-content/uploads/2020/02/Como-vencer-uma-eleic%CC%A7a%CC%83o-sem-sair-de-casa.pdf. Acesso em: 2 fev. 2022.

CHAUÍ, Marilena. Fundamentalismo religioso: a questão do poder teológico-político. In: BORON, Atilio (org.). Filosofia política contemporânea: controvérsias sobre civilização, império e cidadania. Buenos Aires: CLACSO, 2006p. 21. p. 125-144.

CHESNAIS, François (org.). A mundialização financeira. São Paulo: Xamã, 1998.

CHESNAIS, François. Tobin or not Tobin? São Paulo: Ed. Unesp: ATTAC, 1999.

CRUZ, Monique de Carvalho. As particularidades fundantes do punitivismo à brasileira. Revista Direito e Práxis, Rio de Janeiro, v. 12, p. 524–547, 3 mar. 2021.

DA SILVEIRA, Sérgio Amadeu. Regulação algorítmica e os Estados democráticos. ComCiência, Campinas, n. 204, 2018. Dossiê Algoritmos. Disponível em: https://www.comciencia.br/regulacao-algoritmica-e-os-estados-democraticos/. Acesso em: 3 fev. 2022.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaios sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

DAVIS, Angela. Estarão as prisões obsoletas? Rio de Janeiro: Difel, 2018.

FERES JR., João. Partidarismo midiático. In: GONÇALVES, Mírian (org.). Enciclopédia do golpe: vol 2. - O papel da mídia. Bauru: Canal 6, 2018. p. 178-188.

FERRARI, Fabian; GRAHAM, Mark. Fissuras no poder algorítmico: plataformas, códigos e contestação. Fronteiras - estudos midiáticos, São Leopoldo, v. 23, n. 2, p. 207-219, 14 set. 2021.

FREIRE, Paulo. Pedagogia dos sonhos possíveis. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2018.

FREIXO, Adriano De; PINHEIRO-MACHADO, Rosana (org.). Brasil em transe: bolsonarismo, nova direita e desdemocratização. Rio de Janeiro: Oficina Raquel, 2019.

GÓMEZ GERMANO, Gustavo. La regulación democrática de los medios de comunicación: necesidad, alcances y límites de la intervención estata. La democratización de la comunicación y la información en América Latina. Quito: CIESPAL; Carter Center, 2013.

GONÇALVES, Mírian (org.). Enciclopédia do golpe: vol 2. - O papel da mídia. Bauru: Canal 6, 2018.

INTERVOZES. Mídia Sem Violações de Direitos. São Paulo, 2016. Disponível em: https://www.midiasemviolacoes.com.br/rankings. Acesso em: 15 jul. 2020.

INTERVOZES. Monitoramento da Propriedade da Mídia no Brasil 2017. Relatório de Pesquisa. São Paulo: Repórteres Sem Fronteiras; Intervozes, 2017. Disponível em: http://quemcontrolaamidia.org.br. Acesso em: 3 nov. 2017.

INTERVOZES. Monitoramento da Propriedade da Mídia no Brasil 2019. Relatório de Pesquisa. São Paulo: Repórteres Sem Fronteiras; Intervozes, 2019a. Disponível em: http://quemcontrolaamidia.org.br. Acesso em: 3 mar. 2020.

INTERVOZES. Monopólios digitais: concentração e diversidade na Internet. São Paulo: Intervozes, 2018. Disponível em: http://intervozes.org.br/arquivos/interliv012monodig.pdf. . Acesso em 3 mar. 2020.

INTERVOZES. Vozes silenciadas: a cobertura da mídia sobre o Movimento Dos Trabalhadores Rurais Sem Terra durante a comissão parlamentar mista de inquérito. São Paulo: Intervozes, 2011.

INTERVOZES. Vozes Silenciadas: a cobertura do vazamento de petróleo na costa brasileira. São Paulo: Intervozes, 2020.

INTERVOZES. Vozes Silenciadas: reforma da previdência e mídia: o posicionamento de especialistas sobre a proposta de reforma da Previdência do governo Bolsonaro. São Paulo: Intervozes, 2019b.

IMPRENSA brasileira, verdadeiro saco de pancadas da família Bolsonaro: uma tendência que se intensifica em 2021. Repórteres Sem Fronteiras. [S.l: s.n.], 2021. Disponível em: https://rsf.org/pt/relacoes/imprensa-brasileira-verdadeiro-saco-de-pancadas-da-familia-bolsonaro-uma-tendencia-que-se. Acesso em: 3 ago. 2021.

ISNARD, Hildebert. O espaço geográfico. Coimbra: Almedina, 1982.

ITURRALDE, María Eugenia. La descentralización como elemento fundamental en el proceso de democratización de los medios de comunicación en Argentina. Questión: Revista Especializada en Periodismo y Comunicación, La Plata, v. 1, n. 47, p. 162-175, 2015.

KLAYMAN, Joshua. Varieties of confirmation bias. Psychology of Learning and Motivation. [S.l.]: Elsevier, v. 32, p. 385-418, 1995. Disponível em: https://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S0079742108603151. Acesso em: 26 set. 2021.

LIMA, Venício De. Regulação das comunicações. São Paulo: Paulus, 2011.

MAIA, Gustavo. Para repórter da Globo, apoiadores de Bolsonaro gritam WhatsApp e Facebook. UOL Notícias, Brasília, 1 jan. 2019. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2019/01/01/para-reporter-da-globo-apoiadores-de-bolsonaro-gritam-whatsapp-e-facebook.htm. Acesso em: 26 jan. 2020.

MAKHOUL, Fábio Jammal. A cobertura da revista Veja no primeiro mandato do presidente Lula. 2009. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2009. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/4056. Acesso em: 23 set. 2021.

MARTINS, Helena. Muito além das fake news: o problema da desinformação em meio à crise social. In: INTERVOZES: desinformação: crise política e saídas democráticas para as fake news. São Paulo: Editora Veneta, 2020. p. 8-17.

MARTINS, Helena. Na sintonia do golpe: o papel da mídia na crise política. In: INTERVOZES (org.). Direito à comunicação no Brasil 2016. São Paulo: Intervozes; FES, 2017. p. 32-44.

MBL COMEÇA caminhada de protesto com objetivo de chegar até Brasília. G1, São Paulo, 2015. Disponível em: http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2015/04/mbl-comeca-caminhada-de-protesto-com-objetivo-de-chegar-ate-brasilia.html. Acesso em: 6 jul. 2019.

MESSENBERG, Debora. A cosmovisão da “nova” direita brasileira. In: FREIXO, Adriano De; PINHEIRO-MACHADO, Rosana (org.). Brasil em transe: Bolsonarismo, nova direita e desdemocratização. Rio de Janeiro: Oficina Raquel, 2019. p. 25-49.

MÉSZÁROS, István. O poder da ideologia. São Paulo: Boitempo, 2004.

MÍDIA ignora críticas à Reforma da Previdência. Repórter Brasil, São Paulo, 2017. Disponível em: https://reporterbrasil.org.br/2017/04/midia-ignora-criticas-a-reforma-da-previdencia/. Acesso em: 12 out. 2020.

MORAES, Dênis De. O capital da mídia na lógica da globalização. In: MORAES, Dênis De (org.). Por uma outra comunicação: mídia, mundialização cultural e poder. Rio de Janeiro: Record, 2010. p. 187-216.

MOURA, Iara. Os programas “policialescos” no contexto histórico. In: VARJÃO, Suzana; ANDI (org.). Violações de direitos na mídia brasileira: guia de monitoramento. Brasília: ANDI - Comunicação e Direitos, 2015. v. 2. p. 7-12.

MOURÃO, Mônica; MARTINS, Helena. A legitimidade do impeachment construída pela grande mídia. CartaCapital - Intervozes. [S.l: s.n.], 18 abr. 2016. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/blogs/intervozes/a-legitimidade-do-impeachment-tramada-pela-grande-midia/. Acesso em: 23 jul. 2021.

NABARRO, Wagner; SILVA, Adriana Bernardes Da. Informação e território: a Agence France-Presse no Brasil. Boletim Campineiro de Geografia, Campinas, v. 2, n. 1, p. 37-59, 3 abr. 2012.

NAPOLI, Philip M. Deconstructing the diversity principle. Journal of Communication, Oxford, v. 49, n. 4, p. 7-34, 1 dez. 1999.

PARRA, Henrique. Controle social e prática hacker: tecnopolítica e ciberpolítica em redes digitais. Sociedade e Cultura, Goiânia, v. 15, n. 1, p. 109-120, 17 out. 2012.

PASTI, André. Notícias, psicosfera e violência da informação: as agências transnacionais de notícias e a alienação do território brasileiro. Revista Sociedade & Natureza, Uberlândia, v. 30, n. 1, p. 80-109, 1 jul. 2018a.

PASTI, André. Os centros de comando das notícias e a rede urbana brasileira. Boletim Campineiro de Geografia, Campinas, v. 8, n. 2, p. 271-290, 27 dez. 2018b.

PASTI, André. Território, comunicação ascendente e os meios alternativos, populares e comunitários na Argentina. Revista Eptic, São Cristóvão, v. 23, n. 2, p. 41-64, 2021.

RAFFESTIN, Claude. Da ideologia à utopia ou a prática do geógrafo. Boletim Campineiro de Geografia, Campinas, v. 5, n. 1, p. 193-200, 27 jun. 2015.

REPÓRTER BRASIL. REFORMA trabalhista: maior parte da mídia não aborda o impacto negativo das mudanças. Repórter Brasil, São Paulo, 2017. Disponível em: https://reporterbrasil.org.br/2017/06/reforma-trabalhista-maior-parte-da-midia-nao-aborda-o-impacto-negativo-das-mudancas/. Acesso em: 12 out. 2020.

RIBEIRO, Ana Clara Torres. Alguns traços da conjuntura política: movimentos sociais e esfera pública. In: RIBEIRO, Ana Clara Torres. Por uma sociologia do presente: ação, técnica e espaço. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2013a. p. 255-268. v. 5.

RIBEIRO, Ana Clara Torres. Leitura de movimentos: conjuntura, ação e poder. In: RIBEIRO, Ana Clara Torres. Por uma sociologia do presente: ação, técnica e espaço. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2013b. p. 193-208. v. 4.

RIBEIRO, Ana Clara Torres. Matéria e espírito: o poder (des)organizador dos meios de comunicação. In: PIQUET, Rosélia;

RIBEIRO, Ana Clara Torres. Brasil, território da desigualdade: descaminhos da modernização. Rio de Janeiro: Jorge Zahar; Fundação Universitária José Bonifácio, 1991. p. 44-55.

ROMÃO, Davi Mamblona Marques. Jornalismo policial: indústria cultural e violência. Mestrado (Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-30072013-113910/. Acesso em: 25 set. 2021.

SANTOS, Milton. A Geografia - impasse e desafios no findar do século XX. Boletim Campineiro de Geografia, Campinas, v. 8, n. 1, p. 153-165, 2018.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Edusp, 2006.

SANTOS, Milton. Da totalidade ao lugar. São Paulo: Edusp, 2008.

SANTOS, Milton. Espaço e método. São Paulo: Edusp, 2012.

SANTOS, Milton. Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: Edusp, 2008.

SANTOS, Milton. O retorno do território. In: SANTOS, Milton. Território: globalização e fragmentação. São Paulo: Hucitec, ANPUR, 1994. p. 15-20.

SANTOS, Milton. O território e o saber local: algumas categorias de análise. Cadernos IPPUR, Rio de Janeiro, Ano XIII, n. 2, p. 15-26, 1999.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Editora Record, 2000.

SANTOS, Milton. Society and space: social formation as theory and method. Antipode, Worcester, v. 9, n. 1, p. 3-13, fev. 1977.

SANTOS, Milton. Técnica, espaço, tempo: globalização e o meio técnico-científico informacional. São Paulo: Edusp, 2008.

SILVEIRA, Sérgio Amadeu Da. A desinformação é uma indústria. In: INTERVOZES. Desinformação: crise política e saídas democráticas para as fake news. São Paulo: Editora Veneta, 2020. p. 5-8.

SOLANO, Esther. Quem é o inimigo? retóricas de inimizade nas redes sociais no período 2014-2017. In: FREIXO, Adriano De; PINHEIRO-MACHADO, Rosana (org.). Brasil em transe: Bolsonarismo, nova direita e desdemocratização. Rio de Janeiro: Oficina Raquel, 2019. p. 83-98.

TAVARES, Federico de Mello Brandão; BERGER, Christa; VAZ, Paulo Bernardo. Um golpe anunciado: Lula, Dilma e o discurso pró-impeachment na revista Veja. Pauta Geral, Ponta Grossa, v. 3, n. 2, p. 20-44, 2016.

VALENTE, Jonas. Casos emblemáticos de violações de direitos. In: VARJÃO, Suzana; ANDI (org.). Violações de direitos na mídia brasileira: guia de monitoramento. Brasília: ANDI - Comunicação e Direitos, 2015. v. 2. p. 13-19.

VARJÃO, Suzana; ANDI (org.). Violações de direitos na mídia brasileira: guia de monitoramento. Brasília: ANDI - Comunicação e Direitos, 2015a. v. 2.

VARJÃO, Suzana; ANDI (org.). Violações de direitos na mídia brasileira: guia de monitoramento. Brasília: ANDI - Comunicação e Direitos, 2015b. v. 3.

VIEIRA, Gilberto; PIO, Debora; FIRMINO, Rodrigo. Dados e narrativas territorializadas em tempos de pandemia global (Lavits_Covid19_#7). [s.l.], 2020. Disponível em http://lavits.org/lavits_covid19_7-dados-e-narrativas-territorializadas-em-tempos-de-pandemia-global/?lang=pt. Acesso em: 22 ago. 2020.

WU, Tim. El interruptor principal: auge y caída de los imperios de la información. México: FCE, 2016.

Downloads

Publicado

2022-05-13

Como Citar

PASTI, A. O novo e o velho na organização da mídia no território brasileiro: contribuições para a leitura da conjuntura atual a partir de Milton Santos. PerCursos, Florianópolis, v. 23, n. 51, p. 238 - 264, 2022. DOI: 10.5965/1984724623512022238. Disponível em: https://www.periodicos.udesc.br/index.php/percursos/article/view/21080. Acesso em: 13 ago. 2022.