DO PORTO AO TURISMO: a transformação da (o) capital e a revalorização do mar na ilha de Santa Catarina <em> FROM PORT TO TOURISM: capital transformation and reappreciation of the sea on the Island of Santa Catarina </em>

Autores

  • Adilson de Souza Moreira UDESC

Resumo

Este artigo trata do processo de declínio da atividade marítima portuária à ascensão do turismo na Ilha de Santa Catarina. A excelente condição de porto de atracação estimulou as atividades comerciais, gerando uma categoria de trabalhadores formada por marítimos, que determinariam os aspectos de sua ocupação territorial. As intervenções urbanas do final do século XIX e inicio do século XX, seguindo as “reformas” que ocorreram em outras capitais do Brasil, removeram as populações pobres das áreas centrais, sob o pretexto da higienização e o apelo à modernidade, modificando a trajetória histórica e construindo uma nova cidade rumo. Com a construção da ponte Hercílio Luz, ligando a Ilha ao continente, sua vocação marítima é, gradativamente, abandonada e com ela o transporte marítimo. A cidade permaneceria por algumas décadas dependente de suas atividades político-administrativas. A “urbanidade” Florianopolitana deu as costas para o mar, para depois perceber que o “progresso”, o turismo, estava de frente para a praia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adilson de Souza Moreira, UDESC

Graduado em Geografia, Licenciatura e Bacharelado, pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC (2004). Mestre em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Sócio-Ambiental pela Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC (2009).Profissionalmente exerce a atividade de Geografo-agrimensor e, também, Professor de Geografia.

Downloads

Publicado

2011-12-09

Como Citar

MOREIRA, A. de S. DO PORTO AO TURISMO: a transformação da (o) capital e a revalorização do mar na ilha de Santa Catarina <em> FROM PORT TO TOURISM: capital transformation and reappreciation of the sea on the Island of Santa Catarina </em>. PerCursos, Florianópolis, v. 12, n. 2, p. 179 - 197, 2011. Disponível em: https://www.periodicos.udesc.br/index.php/percursos/article/view/2051. Acesso em: 1 jul. 2022.