“Prefiro um filho morto do que um filho viado”: algumas implicações de quando a homofobia é familiar

Autores

  • Bruno dos Santos Hammes Universidade Federal de Goiás Ser-tão - Núcleo de Estudos e Pesquisas em Gênero e Sexualidade

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984724614272013178

Resumo

A situação de discriminação e preconceitos já tem sido alvo de vários estudos a fim de produzir conhecimento e tentativas de superação dessa situação. No que diz respeito ao gênero e principalmente à orientação sexual, tem sido gerado algum debate e elaboração de materiais didáticos com o intuito de combater o bullying homofóbico, cujas dimensões no campo da formação em educação dos sujeitos vêm sendo cada vez mais estudadas. Observando com mais cuidado o âmbito privado busco visibilizar algumas famílias em que existe divergência de orientação sexual entre pais e filhos, para pensar alguns dos desdobramentos que afetam as relações e as possibilidades de conciliá-las ou não com os valores da rede social, círculo familiar e de parentesco e suas implicações nessas histórias de vida juvenis. Por isso busquei no aparato metodológico da Antropologia e no documentário “Quenda” o tratamento dado ao tema parentesco para analisar um pouco da trajetória de três jovens.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno dos Santos Hammes, Universidade Federal de Goiás Ser-tão - Núcleo de Estudos e Pesquisas em Gênero e Sexualidade

Graduado em Ciências Sociais (bacharelado) pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2013). Atualmente é mestrando do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal de Goiás (PPGAS/UFG). Pesquisador do Núcleo de estudos e pesquisas em gênero e sexualidade (Ser-Tão/ FCS-UFG). Tem experiência nas áreas de Antropologia, Políticas Públicas Direitos Humanos e Educação, com ênfase em sexualidade e relações Étnico-Raciais, atuando principalmente nos seguintes temas:juventude, pertencimento e parentesco, sociabilidades, subjetividade e homossexualidades.

Downloads

Publicado

2014-02-28

Como Citar

HAMMES, B. dos S. “Prefiro um filho morto do que um filho viado”: algumas implicações de quando a homofobia é familiar. PerCursos, Florianópolis, v. 14, n. 27, p. 178 - 199, 2014. DOI: 10.5965/1984724614272013178. Disponível em: https://www.periodicos.udesc.br/index.php/percursos/article/view/1984724614272013178. Acesso em: 6 jul. 2022.