Filosofia de uma pessoa coletiva

Autores

  • Paulo Alexandre Marcelino Malafaia Colégio Pedro II

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984724622482021083

Palavras-chave:

Krenak, Ailton, 1953, Sujeito (Filosofia), Ancestralidade, Etnofilosofia, Xamanismo, Ecologia política

Resumo

O texto apresenta a atuação filosófica de Ailton Krenak (1953– ) a partir da ideia de sujeito coletivo ou pessoa coletiva. Para isso, questiona-se uma espécie de senso comum ocidental que considera o labor filosófico como algo que se realiza individualmente; e as noções de ancestralidade, memória e tradição vêm à baila para procurar elucidar a forma com que o autor em tela propõe outra lida com o repertório intelectual e cultural de diversos temas da Filosofia. A partir disso, percorre-se uma série de seus textos, a fim de indicar as relações entre sua memória ancestral e alguns temas que aparecem em sua produção filosófica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Alexandre Marcelino Malafaia, Colégio Pedro II

Doutor em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – PUC/RJ. Professor do Colégio Pedro II.

Referências

BENSUSAN, Nurit. Do que é feito o encontro. Brasília: IEB: Mil folhas, 2019.

DESCARTES, René. Discurso do método. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

DUSSEL, Enrique. 1492: o encobrimento do outro: a origem do mito da modernidade. Petrópolis: Vozes, 1993.

GROSFOGUEL, Ramón. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. 31, n. 1, , p. 25-49, jan./abr. 2016.

KRENAK, Ailton. A gente resiste de um lugar fundado na nossa memória. In: FUNDAÇÃO BIENAL DE SÃO PAULO (org.); VISCONTI, Jacopo Crivelli (curadoria). Primeiros ensaios: publicação educativa da 34ª Bienal de São Paulo. São Paulo: Bienal de São Paulo, 2020a. p. 97-105.

KRENAK, Ailton. A vida não é útil. São Paulo: Companhia das Letras, 2020b.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2020c.

KRENAK, Ailton. Ailton Krenak. Lisboa: OCA, 2019a. (Coleção Tembetá).

KRENAK, Ailton. Depoimento. Olympio, Belo Horizonte, n. 2, p. 18-42, 2019b.

KRENAK, Ailton. O tradutor do pensamento mágico. Revista Cult, São Paulo, n. 251, ano 22, p. 10-17, nov. 2019c.

KRENAK, Ailton. Antes, o mundo não existia. In: NOVAES, Adauto (org.). Tempo e história. São Paulo: Companhia das Letras: Secretaria Municipal de Cultura, 1992. p. 201-204.

KRENAK, Ailton. Ecologia política. Ethnoscientia, Altamira, v. 3, n. 2, p. 1-2, 2018. Número Especial.

KRENAK, Ailton. Encontros. Rio de Janeiro: Azougue, 2015.

KRENAK, Ailton. História indígena e o eterno retorno do encontro. In: LIMA, Pablo (coord.). Fontes e reflexões para o ensino de história indígena e afro-brasileira. Belo Horizonte: UFMG – Faculdade de Educação, 2012. p. 114-31.

KRENAK, Ailton. O eterno retorno do encontro. In: NOVAES, Adauto (org.). A outra margem do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 1999. p. 23-31.

KRENAK, Ailton. O resgate do mundo mágico. WORCMAN, Karen; PEREIRA, Jesus Vasquez (orgs.). História falada: memória, rede e mudança social. São Paulo: SESC SP: Museu da Pessoa: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2006. p. 48-55.

MEIRELLES, Maurício. Nossos mundos estão em guerra. Olympio, Belo Horizonte, n. 2, p. 11-17, 2019.

ØDEMARK, John. Touchstones for sustainable development: indigenous peoples and the anthropology of sustainability in Our Common Future. Culture Unbound, Norrköping, v. 11, p. 369-393, 2019.

Downloads

Publicado

2021-05-21

Como Citar

MALAFAIA, P. A. M. Filosofia de uma pessoa coletiva. PerCursos, Florianópolis, v. 22, n. 48, p. 083 - 108, 2021. DOI: 10.5965/1984724622482021083. Disponível em: https://www.periodicos.udesc.br/index.php/percursos/article/view/18974. Acesso em: 3 dez. 2021.