Dramaturgias da solidariedade

Autores

  • Tania Alice Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro / UNIRIO

DOI:

https://doi.org/10.5965/19843178164202010

Palavras-chave:

performance, projeto participativo

Resumo

Das dramaturgias clássicas e suas encenações orbitando em volta do texto às dramaturgias contemporâneas, com suas dimensões performativas que abrem espaço para uma escrita coletiva em conjunto com os espectadores, o conceito de dramaturgia foi sofrendo um percurso de abertura proporcional à passagem do tempo. A palavra “dramaturgia” foi perdendo sua primazia textual concedida pelo eurocentrismo para se abrir a manifestações somáticas da ordem do acontecimento. O novo espectador das dramaturgias contemporâneas assume um papel fundamental na composição, que se torna coletiva, podendo, na performance, ir até a alteração do programa performativo inicialmente proposto pela/o artista. O artigo aborda a noção de dramaturgia no campo da performance, e, mais especificamente, no campo da performance relacional e participativa. A partir da reflexão em torno de um projeto europeu participativo de performance do qual participei como artista convidada, gostaria de pensar a existência possível de uma “Dramaturgia da Solidariedade”, que poderia inscrever-se no campo mais amplo de “Poéticas do Cuidado”, abrindo espaço para novas possibilidades do fazer artístico. Para desenvolver esta reflexão, escolhi a forma da carta/diário, registro desta pesquisa cartográfica que busca seus objetivos na medida dos acontecimentos. Opto pelo convite para a viagem. Vamos dançar a escrita juntos?

Biografia do Autor

Tania Alice, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro / UNIRIO

Artista-pesquisadora 

Pós-Graduação em Artes Cênicas

Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro / UNIRIO

Referências

ALICE, Tania. “PARC (Performances de arte relacional como cura) – performance e somatic Experiencing”. UFRGS: Revista da Presença, 2015.

BISHOP, Claire. Participation - documents of contemporary art. Cambridge: The MIT Press, 2006.?

BLUM, Harold (org.). Dancing with Dharma – essays on movement and dance in Western Buddhism. California: Mc Farland and Company, 2016.

BOURRIAUD, Nicolas. Estética relacional. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

BRUYNE, de Paul e GIELEN, Pascal (org.). Community Art – The politics of trespassing. Amsterdam: Antennae, 1998.

CAUWET, Laurent. La domestication de l’art – politique et mécénat. Paris: La Fabrique, 2017.

GUATARRI, Félix. As três ecologias. São Paulo: Papirus Editora, 2012.

HELGUERA, Pablo. Education for Socially Engaged Art. New York: Jorge Pinto Books, 2011.

JELINEK, Alana. This is not art - Activism and other “not-art”. London: I.B. Tauris, 2013.

JODOROWSKY, Alexandro. Le théâtre de la guérision. Paris: Albin Michel, 2001.

LEBRUN-CORDIER. Inventons des alter-récits désirables. Paris: Stradda, 2013.?

LIPMAN, Joanne. Escute o que ela diz – o que os hojmens precisam saber e as mulheres tem que dizer sobre trabalhar juntos. SP: Primavera Editorial, 1. Edição.

RANCIERE, Jacques. “Le moment de la danse”, in Les temps modernes – art, temps, politique. Paris: La Fabrique, 2018.

SERVIGNE, Pablo et CHAPPELLE, Gauthier. L’entraide, une autre loi de la jungle. Paris: Les Liens qui Libèrent, 2017.

THOMPSON, Nato. Living as form: socially engaged art from 1991 to 2012. Cambridge: The Mit Press, 2012.

ZASK, Joelle. Participer – essai sur les formes démocratiques de la participation. Paris: Le Bord de l’eau, 2011.

Downloads

Publicado

2020-10-01