Pontos cantados e Omolokô: arte e cultura de terreiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/24471267932023075

Palavras-chave:

pontos cantados, Umbanda de Omolokô, arte/educação baseada na comunidade

Resumo

O artigo analisa como as educabilidades articuladas com pontos cantados no Ilê de Obaluaê, terreiro de Umbanda de Omolokô em Juiz de Fora, MG, podem contribuir para pensar a arte/educação baseada na comunidade anunciada por Bastos (2005). Aqui defendemos que as ações educativas partam da comunidade para combater a colonialidade do saber, do ser e do poder, enquanto operações de subjugação dos povos colonizados (WALSH, 2012). Ao analisar as dimensões estéticas e artísticas de comunidades de terreiro ressaltamos que tais dimensões são indissociáveis da vivência e dos ritos, representadas na organização visual dos artefatos sagrados, na culinária de santo, nas danças e músicas ritualísticas. Assim, ao trabalhar com as religiões afro-brasileiras, a arte/educação necessariamente deve atentar-se ao cotidiano, onde toda carga simbólica da comunidade está expressa. Esta pesquisa não foi realizada para esgotar um tema, mas sim para abrir caminhos, firmar posição e sugerir direções na encruzilhada de outras possíveis “arte/educações”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Taranto Epprecht, Universidade Federal de Juiz de Fora

Licenciado em Artes Visuais pela UFJF e integrante do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Ambiental da UFJF. Lattes: http://lattes.cnpq.br/3269802185325938; E-mail: g.te@hotmail.com

Francione Oliveira Carvalho, Universidade Federal de Juiz de Fora

Francione Oliveira Carvalho é Doutor e Mestre em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenize, com Pós-Doutorado em História pela FFLCH/USP. Bacharel em Artes Cênicas pela Unespar/FAP e licenciado em Artes pela Belas Artes de São Paulo. Atua na Faculdade de Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora. É líder do MIRADA - Grupo de Estudo e Pesquisa em Visualidades, Interculturalidade e Formação Docente.

Referências

BARBOSA, Ana Mae. Mediação cultural é social. In: BARBOSA, Ana Mae; COUTINHO, Rejane Galvão (orgs.). Arte/educação como mediação cultural e social. São Paulo: Editora UNESP, 2009, p. 13-22.

BASTOS, Flávia Maria Cunha. O perturbamento do familiar: uma proposta teórica para a Arte/Educação baseada na comunidade. In: BARBOSA, Ana Mae (org.). Arte/Educação Contemporânea: Consonâncias Internacionais. São Paulo: Cortez, 2005, p. 227-244.

BRASIL. Lei nº 10.639, de 09 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília: Presidência da República, 2003. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acesso em: 30 jun. 2023.

CAPUTO, Stela Guedes. Educação nos terreiros: e como a escola se relaciona com crianças de candomblé. 1ª ed. Rio de Janeiro: Pallas, 2012.

CARVALHO, Francione Oliveira; MARTINS, Mirian Celeste. A interculturalidade na formação do pedagogo brasileiro: territórios de arte & cultura. In: Revista Educação Online, n. 15, jan./abr. 2014, p. 144-157. Disponível em: http://educacaoonline.edu.puc-rio.br/index.php/eduonline/article/view/56 . Acesso em: 24 jun. 2023.

CONDURU, Roberto. Arte Afro-Brasileira. Belo Horizonte: C/Arte, 2007.

GÓIS, Aurino José. O candomblé e a umbanda na cidade de Contagem, Minas Gerais: espaço e território. Tese (Doutorado) – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Programa de Pós-Graduação em Tratamento da Informação Espacial. Belo Horizonte, 2011. Disponível em: http://www.biblioteca.pucminas.br/teses/TratInfEspacial_GoisJA_1.pdf. Acesso em: 3 jul. 2023.

LOPES, Nei. Kitábu: O livro do saber e do espírito negro-africanos. Rio de Janeiro: Editora SENAC Rio, 2005.

LOPES, Nei; SIMAS, Luiz Antonio. Filosofias africanas: uma introdução. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2020.

LOUREIRO, Carlos Frederico B. Educação Ambiental: Questões de vida. São Paulo: Cortez, 2019.

MACHADO, Vanda. Ilê Axé: Vivências e invenção pedagógica - as crianças do Opô Afonjá. 2ª ed. Salvador: Editora da Universidade Federal da Bahia, 2002.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Analítica da colonialidade e da decolonialidade: algumas dimensões básicas. In: BERNARDINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGUEL, Ramón (orgs.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. 1ª ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018, p. 31-61.

OYEWÙMÍ, Oyèrónké. A invenção das mulheres: construindo um sentido africano para os discursos ocidentais de gênero. Rio de Janeiro, Bazar do Tempo, 2021.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2005, p. 117-142. Disponível em: http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/sur-sur/20100624103322/12_Quijano.pdf. Acesso em: 21 jun. 2023.

MIGNOLO, Walter. D. The darker side of western modernity: global futures, decolonial options. Duke University Press, 2011.

ROSA, Allan da. Pedagoginga, autonomia e mocambagem. São Paulo: Pólen, 2019.

RUFINO, Luiz. Pedagogia das encruzilhadas. Rio de Janeiro: Mórula Editorial, 2019.

RUFINO. Luiz; CAMARGO, Daniel Renaud; SÁNCHEZ, Celso. Educação Ambiental desde El Sur: A perspectiva da Terrexistência como Política e Poética Descolonial. In: Revista Sergipana de Educação Ambiental, v. 7, Número especial, p. 1-11, 2020. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/revisea/article/view/14520. Acesso em: 1 jul. 2023.

SÉRVIO, P. (2014). O que estudam os estudos de cultura visual?. Revista Digital Do LAV, 7(2), 196–215. https://doi.org/10.5902/1983734812393, acesso 01.08.2023.

SIMAS, Luiz Antonio. Umbandas: uma história do Brasil. 5ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2022.

WALSH, Catherine. Interculturalidad y (de)colonialidad: perspectivas críticas y políticas. In: Revista Visão Global, Joaçaba, v. 15, n. 1/2, p. 61-74, 2012. Disponível em: https://periodicos.unoesc.edu.br/visaoglobal/article/view/3412. Acesso em: 21 jun. 2023.

Downloads

Publicado

2024-01-04

Como Citar

TARANTO EPPRECHT, Gustavo; CARVALHO, Francione Oliveira. Pontos cantados e Omolokô: arte e cultura de terreiro. Revista Apotheke, Florianópolis, v. 9, n. 3, p. 075–098, 2024. DOI: 10.5965/24471267932023075. Disponível em: https://www.periodicos.udesc.br/index.php/apotheke/article/view/24242. Acesso em: 23 jun. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)