Sob a perspectiva global: as solidariedades transnacionais das e às mulheres brasileiras exiladas na França e em Portugal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180314352022e0107

Resumo

A perspectiva de análise da história global fornece aspectos pertinentes para pensar as conexões entre pessoas, projetos, grupos políticos e ideias. O objetivo deste artigo é analisar, sob a perspectiva da história global, as solidariedades transnacionais que se voltaram às mulheres brasileiras ou às quais elas integraram durante o exílio da ditadura militar brasileira na França e em Portugal. Isto é, busca-se demonstrar as conexões entre as brasileiras e as francesas e entre as brasileiras e as portuguesas. A história global auxiliará na compressão das solidariedades transnacionais e das solidariedades feministas ou femininas que existiram no período, a partir do slogan da época: sisterhood is global. O recorte temporal estabelecido é a partir de 1973 (ano do golpe do militar no Chile, que levou muitas latino-americanas à Europa) até 1979 (quando se deu a Lei de Anistia nº 6.683). As fontes principais são os documentos do Círculo de Mulheres Brasileiras em Paris, e do Movimento Democrático de Mulheres de Portugal, e os jornais Nosotras, do Grupo Latino-Americano de Mulheres em Paris. Também, a fim de complementar algumas informações, foram utilizados os informes do Centro de Informação de Exterior (CIEx) e três entrevistas de ex-exiladas.

Palavras-chave: mulheres exiladas; solidariedades transnacionais; perspectiva global.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eloisa Rosalen, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Doutora em História pela Universidade Federal de Santa Catarina com estágio doutoral na Università Ca' Foscari Venezia

Referências

A MULHER; o mais explorado dos explorados – frisou-se numa sessão de solidariedade com antifascistas brasileiras. Século, 3 de outubro de 1975. Disponível em: Pasta Solidariedade Internacional no Acervo do Movimento Democrático de Mulheres em Lisboa.

A NECESSIDADE de Despertar a consciência das mulheres para a tarefa de luta – referida numa sessão do M.D.M.P. efectuada em Lisboa. Primeiro de Janeiro, 5 de outubro de 1975. Disponível em: Pasta Solidariedade Internacional no Acervo do Movimento Democrático de Mulheres em Lisboa.

ABREU, Maira Luisa Gonçalves de. Feminismo no Exílio: O Círculo de Mulheres Brasileiras em Paris e o Grupo Latino-Americano de Mulheres em Paris. São Paulo: Alameda, 2014. Impressão realizada em 2016.

ABREU, Maira Luisa. Nosotras: feminismo latino-americano em Paris. Estudos Feminista, Florianópolis, v. 2, n. 21, p.553-572, ago. 2013.

ABREU, Maira; CARVALHO, Adília Martins de. Sisterhood is powerful: exílio e mobilizações feministas na França em apoio às “Três Marias”. Lutas Sociais, São Paulo, v. 18, n. 32, p.133-147, jun. 2014.

ALLEN, Ann Taylor. Erro de Tradução? A história das Mulheres numa Perspectiva Transnacional e Comparada. In: COVA, Anne (org). História Comparada das Mulheres: Novas Abordagens. Lisboa: Livros Horizontes, 2008. P. 61-78.

AMARAL, Ana Luísa FREITAS, Marinela. Novas Cartas Portuguesas entre Portugal e o Mundo. Lisboa: Leya, 2015.

ANDERSON, Bonnie S. Primórdios do Feminismo Internacional: Contribuições e Dificuldades da História Comparada. In: COVA, Anne (org). História Comparada das Mulheres: Novas Abordagens. Lisboa: Livros Horizontes, 2008. p. 47-60.

Arquivo Nacional. Fundo Centro de Informação do Exterior - CIEx, informes dos anos de 1973 até 1979. Disponíveis em: http://sian.an.gov.br/sianex/Consulta/resultado_pesquisa_new.asp

ÁVILA, Maria Betânia de Melo. Entrevista concedida a Eloisa Rosalen. Recife - PE, Brasil, 17/07/2019. Acervo do Laboratório de Estudos de Gênero e História(LEGH)/ UFSC.

BACK, Lilian. A seção feminina do PCB no exílio: debates entre o comunismo e o feminismo (1974-1979). 2013. 212 p. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em História, Florianópolis, 2013.

BASTOS, Natalia de Souza. Elas por elas: trajetórias de uma geração de mulheres de esquerda. Brasil 1960-1980. 2007. 138 f. Dissertação (Doutorado) - Curso de Programa de Pós-Graduação em História, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2007. Disponível em: https://www.historia.uff.br/stricto/teses/Dissert-2007_BASTOS_Natalia_de_Souza-S.pdf. Acesso em: 05 out. 2020.

BARRETO, António. População e Sociedade. In: PINTO, António Costa; MONTEIRO, Nuno Gonçalo (org.). História Contemporânea de Portugal 1808-2010: A busca da Democracia 1960-2000. Vol. 05 Lisboa: Objectiva/ Fundación Mapfre, 2015. p. 113-143.

BAYLY, C. A; BECKERT, Sven; CONNELLY, Matthew; HOFMEYR, Isabel; KOZOL, Wendy; SEED, Patricia. Conversation: On Transnational History. The American Historical Review, [s.l] vol. 111, n. 5, pp.1441-1464, 2006.

BRACKE, Maud; MARK, James. Between Decolonization and the Cold War: Transnational Activism and its Limits in Europe, 1950s-90s. Journal of Contemporary History, v. 50, n. 3, p. 403–417, 2015.

BRANCO, Zillah Murgel. Entrevista concedida a Eloisa Rosalen. Lisboa - Portugal, 19/10/2019. Acervo do Laboratório de Estudos de Gênero e História(LEGH)/ UFSC.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 16. Ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CANNABRAVA, Benita Beatriz Accioli. Entrevista concedida Eloisa Rosalen. São Paulo - SP, Brasil, 13/08/2018. Acervo do Laboratório de Estudos de Gênero e História(LEGH)/ UFSC.

CARVALHO, Adília Martins de. Para uma genealogia da recepção de'Novas Cartas Portuguesas' em França. Cadernos de Literatura Comparada, n. 35, p. 225-246, 2016.

Centro de Arquivo e Documentação Movimento Democrático de Mulheres de Portugal. Fundo Solidariedade Internacional, documentos sobre o Brasil.

Centro Informação Mulher (CIM). Coleção Círculo De Mulheres Brasileia em Paris (1976-1979), volumes I, II, III, IV, e V.

COMUNICADO 37, de 2 de outubro de 1975 [escrito a caneta]. Disponível na pasta Solidariedades no Acervo do Movimento Democrático de Mulheres.

CONRAD, Sebastian. O Que é História Global? Lisboa: Edições 70, 2019.

COVA, Anne (org). História Comparada das Mulheres: Novas Abordagens. Lisboa: Livros Horizontes, 2008.

COSTA, Suely Gomes. Onda, Rizoma e “Sororidade” como metáforas: Representações de Mulheres e dos Feminismos (Paris, Rio de Janeiro: Anos 70/80 do século XX). Revista Internacional Interdisciplinar Interthesis, Florianópolis, v. 6, n. 2, p.1-29, dez. 2009.

COSTA, Ana Alice Alcantra. O Feminismo Brasileiro em Tempos de Ditadura Militar. In: WOLFF, Cristina Scheibe, PEDRO, Joana Maria (org). Gênero, feminismos e ditadura no Cone Sul. Florianópolis: Editora Mulheres, 2010. p. 174–190.

CRUZ, Fábio Lucas da. Frente Brasileño de Informaciones e Campanha: Os jornais de brasileiros exilados no Chile e na França (1968-1979). 2010. 168 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Pós-graduação em História Social, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

FICO, Carlos. Ditadura militar brasileira: aproximações teóricas e historiográficas. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 09, n. 20, p.05-74, 31 mai. 2017.

FICKER, Sandra Kuntz. Mundial, trasnacional, global: Un ejercicio de clarificación conceptual de los estudios globales. Nuevo Mundo Mundos Nuevos, [s.l.], p.1-15, mar. 2014.

FOX-GENOVESE, Elizabeth. Para além da irmandade. Estudos feministas, Rio de Janeiro, p. 31-56, 1992.

FOUGEYROLLAS-SCHEWEBEL, Dominique. Movimentos Feministas. In: HIRATA, Helena et al (Org.). Dicionário Crítico do Feminista. São Paulo: Editora Unesp, 2009. p. 144-148.

FREDERICKSON, Mary E. Going Global: New Trajectories in US Women's History. The History Teacher, Long Beach, v. 43, n. 2, p. 169-189, 2010.

HEMMINGS, Clare. Affective solidarity: Feminist reflexivity and political transformation. Feminist Theory, v. 13, n. 2, p. 147-161, 2012.

JORNADA de solidariedade do M.D.M. para com a mulher brasileira. Diário de Notícias, 3 de outubro de 1975. Disponível em: Pasta Solidariedade Internacional no Acervo do Movimento Democrático de Mulheres em Lisboa.

LES TROIS PORTUGAISES. Dirigido por Delphine Seyrig. Documentário. França, 1974. 29 min. Preto e branco.

LIMA, Valentina da Rocha. Women in Exile: Becoming Feminist. International Journal of Oral History, Westport, v. 5, n. 2, p. 81-99, jun. 1984.

MARTIN, Deborah; SHAW, Deborah. Chilean and Transnational Performances of Disobedience: Las Tesis and the Phenomenon of Un violador en tu camino. Bulletin of Latin American Research, [s.l] vol. 40, n. 1, p. 01-18. jan. 2021. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1111/blar.13215 Acesso em: 08 jul. 2021.

MARQUES, Teresa C. S. Militância política e solidariedade transnacionais: a trajetória política dos exilados brasileiros no Chile e na França (1968-1979). Tese de Doutorado - Programa de Pós-Graduação em Ciências Políticas: UFRGS, Porto Alegre, 2011.

MARQUES, Teresa C. S. A Esquerda brasileira exilada e o Feminismo: A atuação política das brasileiras no Chile e na França (1968-1979). Projeto História, São Paulo, n. 52, p.112-139, ago. 2015

MCLAREN, M. A. Foucault, Feminismo e Subjetividade. São Paulo: Intermeios, 2016.

MORAES, Maria Lygia Quartim de. Deslocamentos geográficos, Experiências subjetivas: Brasileiras no exílio. Campinas: IFCH/Unicamp, Coleção Primeira Versão, 2012.

MORGAN, ROBIN (org). Sisterhood is global: The International Women’s Movement Anthology. Nova Iorque: Garden City, 1984.

MOVIMENTO DEMOCRÁTICO DE MULLHERES. 40 Anos: movimento democrático de mulheres. Lisboa: Edições MDM, 2009.

MULHERES Portuguesas pedem Anistia Política no Brasil. Extra, 9 de março de 1978. Disponível em: Pasta Solidariedade Internacional no Acervo do Movimento Democrático de Mulheres em Lisboa.

NOSOTRAS. Paris: n. 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12,13, 14, 15, 16, 17, 18, 19, 20, 21, 22, 23, 24, 25, e 26, de 1974 até 1976. Disponível em: Acervo do LEGH (fotocópias da Bibliothèque Marguerite Durand em Paris).

PICQ, Françoise. The History of the Feminist Movement in France. In: GRIFFIN, Gabriela; BRAIDOTTI, Rosi (org.) Thinking Differently: A Reader in European Women’s Studies. Londres: Zed Books, 2002. P. 313-320.

PIEDADE, Vilma. Dororidade. São Paulo: Editora Nós, 2017.

PINTO, António Costa. A busca por democracia. 1960-2000. In: PINTO, António Costa; MONTEIRO, Nuno Gonçalo (org.). História Política Contemporânea: Portugal 1808-2000. Lisboa: Objectiva/ Fundación Mapfre, 2019. p .267-306.

PEDRO, Joana Maria; WOLFF, Cristina Scheibe. Nosotras e o Círculo de Mulheres Brasileiras: feminismo tropical em Paris. ArtCultura, Uberlândia, v. 9, n. 14, p.55-69, jun. 2007a.

PEDRO, Joana. “Nosotras, Nós Mulheres, Nos/Otras, Noidonne: Rede de divulgação feminista dos anos 70 e 80”. In: WOLFF, Cristina Scheibe; FAVERI, Marlene de; RAMOS, Tânia Regina de Oliveira (Org.). Leituras em rede: gênero e preconceito. Florianópolis: Mulheres, 2007b. p. 265-293.

PENNA FILHO, Pio. O Itamaraty nos anos de chumbo: O Centro de Informações do Exterior (CIEX) e a repressão no Cone Sul (1966-1979). Revista Brasileira de Política Internacional, São Paulo, v. 52, n. 2 p. 43-62, 2009.

PENNA FILHO, Pio. Os Arquivos do Centro de Informações do Exterior (CIEX): O elo perdido da repressão. Acervo, Rio de Janeiro, v. 21, n. 2, p. 79-92, jul/dez. 2008.

PRADO, Maria Lígia Coelho. Repensando a História Comparada na América Latina. Revista de História, São Paulo, n. 153, p. 11-34, 2º sem/2005.

PEZZONIA, Rodrigo. Exílio em Português: política e vivência dos brasileiros em Portugal (1974-1982). 2017. 300 f. Tese (Doutorado) - Curso de História Social, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

REIS, Daniel A. Ditadura militar, esquerdas e sociedades. Rio de Janeiro: Zahar, 2000.

RIBEIRO, Maria Rosa Dória. As comunistas e o feminismo. Perseu, São Paulo, v. 7, n. 9, p.117-143, 2013.

ROLLEMBERG, Denise. Exílio: Entre raízes e radares. Rio de Janeiro: Record, 1999.

ROLLEMBERG, Denise. Debate no Exílio: Em busca da renovação. In: RIDENTI, Marcelo; REIS, Daniel Aarão. História do Marxismo no Brasil: Partidos e Movimentos após os a anos de 1960. São Paulo: Editora Unicamp, 2007. p. 291-339.

ROSALEN, Eloisa. Vidas (entre) laçadas: relações de gênero nas memórias do exílio brasileiro (1964-1979). 2016. 287 p. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em História, Florianópolis, 2016. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/167880 Acesso em: 01 ago. 2021.

ROSALEN, Eloisa. Retratos de uma geração: as trajetórias de militâncias das mulheres exiladas na França e em Portugal e no retorno ao Brasil (1973-1987). 2021. 301 p. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em História, Florianópolis, 2021. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/227107/PHST0721-T.pdf?sequence=-1 Acesso em: 01 ago. 2021.

SZNAJDER, Mario; RONIGER, Luis. La política del destierro y el exilio en América Latina. México: Fondo de Cultura Económica, 2013.

SARTI, Cynthia. Feminismo e Contexto: Lições do Caso Brasileiro. Cadernos Pagu, Campinas, s/v, nº 16, p. 31-48, 2001.

SOLIDARIEDADE da Mulher Portuguesa à Mulher Brasileira. Lisboa: Edições MDM, 1975a. Disponível em: Pasta Solidariedade Internacional no Acervo do Movimento Democrático de Mulheres em Lisboa.

SOLIDARIEDADE com as mulheres brasileiras antifascistas brasileiras. Diário Popular, 1 de outubro de 1975b. Disponível em: Pasta Solidariedade Internacional no Acervo do Movimento Democrático de Mulheres em Lisboa.

SOLIDARIEDADE com as mulheres brasileiras antifascistas brasileiras – numa sessão do M.D.M. Diário Popular, 3 de outubro de 1975c. Disponível em: Pasta Solidariedade Internacional no Acervo do Movimento Democrático de Mulheres em Lisboa.

TAVARES, Manuela. Movimentos de Mulheres em Portugal: Décadas de 70 e 80. Lisboa: Livros Horizontes, 2000.

TAVARES, Manuela. Feminismos em Portugal (1947-2007). 2008. 625 p. Tese (Doutorado) – Universidade Aberta Lisboa, Lisboa, 2008. Disponível em: https://repositorioaberto.uab.pt/handle/10400.2/1346 Visitada em 14 abr. 2022.

TRUZZI, Oswaldo. Redes em processos migratórios. Tempo Social: Revista de sociologia da USP, São Paulo, v. 20, n. 1, p. 199-218, 2008.

TUNGOHAN, Ethel. Is Global Sisterhood Elusive? A Critical Assessment of the Transnational Women's Rights Movement. Atlantis: Critical Studies in Gender, Culture & Social Justice, v. 34, n. 2, p. 104-114, 2010.

Downloads

Publicado

2022-04-30

Como Citar

ROSALEN, E. Sob a perspectiva global: as solidariedades transnacionais das e às mulheres brasileiras exiladas na França e em Portugal. Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 14, n. 35, p. e0107, 2022. DOI: 10.5965/2175180314352022e0107. Disponível em: https://www.periodicos.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180314352022e0107. Acesso em: 7 jul. 2022.