Teatro com a floresta: um trajeto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2595034702252021070

Palavras-chave:

Floresta, Huni kuĩ, teatro, arte relacional

Resumo

Este é um relato de experiência sobre uma trajetória de aproximação ao povo Huni kuĩ pelo viés da estética relacional, com o objetivo de suprir uma escassez dos saberes tradicionais nos espaços formais de educação. Para enriquecer o encontro de alteridades, houve o processo reflexivo “Teatro com a floresta”, visando potencializar o acontecimento teatral pelo viés ecológico. Três eixos emergiram desse processo: o público, a socialidade e o espaço. Como meio prático dessa busca foram utilizados o teatro de João Redondo e o teatro de Lambe-Lambe dentro do ambiente tradicional da comunidade, a floresta. Os principais autores utilizados foram: Nicolas Bourriaud (2009), André Carreira (2009, 2013), Els Lagrou (2002, 2010) e Fritjof Capra (1997).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vitor Ribeiro do Valle, Cyathus Teatro de Animação

Vitor possui formações tanto na área da agricultura, quanto da arte. Essa intersecção o levou aos espaços da rua, do campo, e da floresta, onde vivenciou a diversidade estética da cultura tradicional, e seus componentes, cantos, danças, adereços, bonecos, poesias, rituais, agricultura, paisagens etc... É graduado em agronomia pela Universidade Federal de Santa Catarina e em artes cênicas pela Universidade Federal do Acre. Atuou no Coletivo Peabiru Teatro, de Florianópolis-SC, e no grupo Tropa Mamulungu, de Rio Branco-AC. Atualmente faz parte do grupo Cyathus Teatro de Animação, sediado em Nova Veneza-SC e é colaborador do espaço de residência artística Vale Arvoredo, localizado em Morro Reuter-RS, além de ser cafeicultor agroecológico em Minas Gerais.

Flávio da Conceição, Universidade Federal do Acre

Flávio é Professor efetivo da UFAC. Doutor em Artes Cênicas pela UNIRIO, mestre em Ciência da Arte pela UFF, possui graduação em Pedagogia e licenciatura em Teatro. Foi membro da equipe de curingas (pedagogo social) do Centro de Teatro do Oprimido onde trabalhou diretamente com Augusto Boal desde 2001 até 2009. Um dos idealizadores e membro do GESTO - Grupo de Estudos em Teatro do Oprimido vinculado ao NEPAA - Núcleo de estudos das Performances Afro Ameríndias UNIRIO.

Joaquim Paulo de Lima Kaxinawa, Universidade Federal do Acre

Integrante do povo Huni kuĩ do território Praia da Carapanã, no município de Tarauacá-AC. Formado em Ciências Sociais na Universidade Estadual de Mato Grosso –UNEMT. Fez mestrado e doutorado em linguística na UnB. Atualmente é pós-doutorando em Linguagem e identidade na UFAC.  Secretario da Federação do povo Huni kuĩ do Estado do Acre, coordenador de educação escolar Huni kuĩ, membro do Laboratório da Interculturalidade – LABNTER, defensor e pesquisador da língua e cultura do povo Huni kuĩ.

Referências

ARRUDA, Kátia de; BELTRAME, Valmor. Teatro Lambe-lambe: o menor espetáculo do mundo. DAPesquisa, Florianópolis, v. 3, n. 5, p. 1010-1020, 2008. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/dapesquisa/article/download/15658/10250. Acesso em: 7 jul. 2021.

BALÉE, William. Sobre a Indigeneidade das Paisagens. Revista de Arqueologia, Pelotas, v. 21, n. 2, p. 09-23, 2008. Disponível em: https://revista.sabnet.org/index.php/sab/article/view/248 Acesso em: 9 ago. 2021.

BOAL, Augusto. A Estética do Oprimido. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

BOURRIAUD, Nicolas. Estética Relacional. Tradução: Denise Bottmann. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2009.

CANDAU, V. M. Direitos humanos, educação e interculturalidade: as tensões entre igualdade e diferença. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 13, n. 37, jan. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782008000100005. Acesso em: 1 jun. 2021

CAPRA, F. A Teia da Vida. São Paulo: Cultrix, 1997.

CARREIRA, André. Espacialidades e intimidade: ocupação do espaço e o projeto do real no teatro. Ilinx: Revista do Lume, Campinas, v. 4, p. 1-10, dez. 2013. Disponível em: https://gongo.nics.unicamp.br/revistadigital/index.php/lume/article/view/278/258. Acesso em: 3 abr. 2021.

CARREIRA, André. 2. AMBIENTE, FLUXO E DRAMATURGIAS DA CIDADE: materiais do Teatro de Invasão. O Percevejo Online, [S. l.], v. 1, n. 1, 2009. DOI: 10.9789/2176-7017.2009.v1i1.%p. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/opercevejoonline/article/view/482. Acesso em: 22 abr. 2021.

CAVALCANTI, G. A Brincadeira do Teatro de Bonecos no Rio Grande do Norte. Móin-Móin - Revista de Estudos sobre Teatro de Formas Animadas, Florianópolis, v. 1, n. 15, p. 69-83, 2018. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br./index.php/moin/article/view/1059652595034701152016069. Acesso em: 9 ago. 2021.

CONDE, Daniel Ribeiro; MAFRA, Flávia Luciana Naves; CAPPELLE, Mônica Carvalho Alves. Escambo. Rigs: revista interdisciplinar de gestão social, Salvador, v. 3, n. 1, p. 123-140, jan. 2014. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/rigs/article/view/9169. Acesso em: 9 abr. 2021.

DAMATTA, R. O que faz o Brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco; 1986.

DEWEY, John. Arte como Experiência. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

FERREIRA, Paulo Roberto Nunes. Na “remenda do céu com a terra” escolas diferenciadas não são Huni Kuĩ. 2010. Dissertação (Mestre em Antropologia Social) - Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2010. Disponível em: https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/26471/Paulo%20Roberto.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 9 ago. 2021.

INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL (org.). Terra Indígena Alto Rio Purus. Disponível em: https://terrasindigenas.org.br/. Acesso em: 11 jun. 2021. a

INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL (org.). Terra Indígena Katukina/Kaxinawa. Disponível em: https://terrasindigenas.org.br/. Acesso em: 8 jun. 2021. b

LAGROU, Elsje Maria. O que nos diz a arte kaxinawa sobre a relação entre identidade e alteridade? Mana, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 29-61, abr. 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132002000100002&lng=en&nrm=iso> . Acesso em: 14 mai. 2021.

LAGROU, Els. Arte ou artefato? Agência e significado nas artes indígenas. Revista Proa, Campinas, v. 1, n. 2, 2010. Disponível em: https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/proa/article/view/2385. Acesso em: 9 ago. 2021.

LEVIS, Carolina. A transformação humana pré-colombiana da paisagem florestal no interflúvio Purus-Madeira, Amazônia Central. 2012. Dissertação (Mestrado em Biologia) -Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Manaus, 2012. Disponível em: https://bdtd.inpa.gov.br/bitstream/tede/788/1/Dissertacao_Carolina_Levis.pdf. Acesso em: 9 mar. 2021.

LEVIS, Carolina et al. Persistent effects of pre-Columbian plant domestication on Amazonian forest composition. Science, Washington, v. 355, n. 6328, p. 925–931, 2017. Disponível em: https://science.sciencemag.org/content/355/6328/925.full. Acesso em: 9 ago. 2021.

LIMA, Romilda de Souza; FERREIRA NETO, José Ambrósio; FARIAS, Rita de Cássia Pereira. Alimentação, comida e cultura: o exercício da comensalidade. Demetra: Alimentação, Nutrição & Saúde, Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, p. 507-522, 28 jul. 2015. Universidade de Estado do Rio de Janeiro. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/282840432 . Acesso em: 4 mar. 2021.

MCCALLUM, Cecilia. Alteridade e sociabilidade kaxinauá: perspectivas de uma antropologia da vida diária. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 13, n. 38, p. 127-136, 1998. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcsoc/i/1998.v13n38/. Acesso em: 15 mar. 2021.

NICOLAU, Vitor R. do V.; SILVA, Sulamita R. O contexto cultural amazônico nas aulas de arte em uma escola pública localizada no Bairro Volta Seca no município de Rio Branco/Acre. In: XIII CONGRESSO LIA, 2019. Anais do XIII Congresso de Linguagens e Identidades das/nas amazônias, Rio Branco, p. 245-253. Disponível em: https://170b7fb0-988b-40b9-a3f1-33182fe97668.filesusr.com/ugd/bbd4fb_07ec3964bbf64cfca29cd351088f7c46.pdf. Acesso em: 15 de jun. 2021.

SÁEZ, Oscar Calavia; NAVEIRA, Miguel Carid; GIL, Laura Pérez. O Saber é Estranho e Amargo - Sociologia e mitologia do conhecimento entre os Yaminawa. Campos - Revista de Antropologia, [s. I.], v. 4, dez. 2003. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/campos/article/view/1596. Acesso em: 14 maio 2021.

º Seminário de Arte e Educação: práticas, espaços e tempos em transformação – UFAC. Even3, 2018. Disponível em: https://www.even3.com.br/2saeufac/. Acesso em: 17 abr. 2021.

TORRES, M. N. Analítica da colonialidade e da decolonialidade: algumas dimensões básicas. In: BERNARDINO-COSTA, Joaze; TORRES, Maldonado Nelson; GROSFOGUEL, Ramón (Orgs). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica, 2018.

Valorizando os povos indígenas, governo oferta ensino gratuito de hãtxa kuin. Notícias do Acre, Rio Branco, abr. 2018. Disponível em: https://agencia.ac.gov.br/valorizando-os-povos-indigenas-governo-oferta-ensino-gratuito-de-hatxa-kuin/. Acesso em: 17 abr. 2021.

Downloads

Publicado

2021-12-18

Como Citar

VALLE, V. R. do; CONCEIÇÃO, F. da; KAXINAWA, J. P. de L. Teatro com a floresta: um trajeto. Móin-Móin - Revista de Estudos sobre Teatro de Formas Animadas, Florianópolis, v. 2, n. 25, p. 70 - 89, 2021. DOI: 10.5965/2595034702252021070. Disponível em: https://www.periodicos.udesc.br/index.php/moin/article/view/20908. Acesso em: 12 ago. 2022.