Experiências literárias e o processo de formação de novos leitores

Nilo Souza

Resumo


Quando Piegay-Gros (2002) indica que “ler por ler” pode ser um divisor de águas entre uma leitura literária e qualquer outro tipo de leitura (cotidiana ou técnica), parece pertinente questionar: como se dá a experiência literária? A primeira motivação para o desenvolvimento desse estudo resulta de uma reflexão que busca compreender melhor a natureza da experiência com a leitura literária e quais suas implicações dentro do processo de formação de novos leitores. Para tanto, busquei realizar um percurso teórico que vê na subjetividade um elemento fundamental na construção de uma experiência significativa para promoção do gosto pela leitura e diretamente ligada à literariedade da linguagem. Nesse sentido, o diálogo com alguns autores, como: Vincent Jouve, Denis Bertrand e Hans Robert Jauss, se fez necessário na medida em que parto do princípio de que uma das chaves para seduzir o leitor em potencial começa por compreender o processo que faz da linguagem literária algo atraente, ou seja, uma experiência viva.

Palavras-chave: Experiência Literária. Leitura. Ensino.

 


Texto completo:

PDF

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários
 |  Incluir comentário

Contato:
Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
Centro de Ciências Humanas e da Educação - FAED
Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE
Av. Madre Benvenuta, 2007 - Itacorubi
Florianópolis - SC
CEP: 88.035-001
(48) (48) 3664-8585
revistalinhas@gmail.com